BEJA :. cidade do Baixo Alentejo, Portugal

Beja é uma cidade localizada na região do Alentejo e sub-região do Baixo Alentejo, um local onde as paisagens são dominadas por extensas planícies agrícolas. Beja faz fronteira a norte com o distrito de Évora, a leste com Espanha, a sul com a região do Algarve e a oeste com o oceano Atlântico e o com distrito de Setúbal. A cidade de Beja encontra-se a uma distância aproximada de 137 km de Lisboa e 63 km de Évora. Os rios mais importantes do distrito de Beja são o rio Mira e o rio Guadiana, com os afluentes Enchoé, Colces e Carreiras. Os conjuntos montanhosos mais importantes do distrito de Beja são: a serra do Mendro, os picos de Aronche, o monte do Cercal e a serra do Caldeirão. O clima do distrito de Beja é mediterrânico, apresentando temperaturas médias anuais entre os 21º e os 25º C.
O distrito de Beja divide-se em 14 concelhos, incluíndo a cidade de Beja. :

  1. Aljustrel
  2. Almodôvar
  3. Alvito
  4. Barrancos
  5. Castro Verde
  6. Cuba
  7. Ferreira do Alentejo
  8. Mértola
  9. Moura
  10. Odemira
  11. Ourique
  12. Serpa
  13. Vidigueira
  14. Beja, a cidade que incluí 18 freguesias
    1. Albernoa
    2. Baleizão
    3. Beringel
    4. Cabeça Gorda
    5. Mombeja
    6. Nossa Senhora das Neves
    7. Quintos
    8. Salvada
    9. Salvador
    10. Santa Clara do Louredo
    11. Santa Maria da Feira
    12. Santa Vitória
    13. Santiago Maior
    14. São Brissos
    15. São João Batista
    16. São Matias
    17. Trigaches
    18. Trindade

veja o video com imagens de Beja

A cidade de Beja

O centro histórico de Beja é o coração da cidade e tem por principais atrações:

  • Praça da República: é a praça que corresponde ao centro político e administrativo da cidade de Beja. Durante a Idade Média e a Época dos Descobrimentos era nesta praça que se realizavam as festas, as corridas de touros e as peças de teatro. A Praça da República apresenta edifícios como a Igreja da Misericórdia, a sede do Conservatório Regional do Baixo Alentejo instalado num palácio do século XVI, o serviço de Finanças instalado num palácio do século XVII que servia como antiga cadeia da cidade e a Câmara Municipal inaugurada em 1953
  • Largo de Santo Amaro: é a praça onde funcionou o mercado da reforma agrária após a 25 de Abril de 1974, merece destaque devido à Igreja de Santo Amaro, que integra o Núcleo Visigótico do Museu Regional de Beja
  • Largo de São João: é a zona mais recente do centro histórico. Tem por principais atrações o centenário Clube Bejense, o Cine-Teatro Pax Julia inaugurado em 1928, uma escultura no centro da praça da autoria de Noémia Cruz e a Travessa do Cepo, local que integra a cidade medieval de Beja com destaque para o arco gótico
  • Rua do Sembrano: esta rua de Beja tem por principal destaque o Núcleo Museológico da Rua do Sembrano, local onde podemos presenciar muralhas datadas da Idade do Ferro, ruínas de termas romanas e painéis de azulejos modernos alusivos à temática da água da autoria do pintor Rogério Ribeiro
  • Praça Diogo Fernandes: tem por principais destaques o Jardim do Bacalhau com uma escultura moderna em ferro no centro da autoria de Jorge Vieira e dedicada ao Prisioneiro Político Desconhecido

Locais a visitar em Beja

  • Casa da Cultura / Bedeteca: é um espaço alojado na Casa da Cultura que tem por objetivo a dinamização da banda desenhada na cidade, recebendo o Festival Internacional de Banda Desenhada durantes os meses de Maio e Junho
  • Castelo de Beja: o castelo de Beja foi construído no reinado de D Afonso III e melhorado durante os séculos XIII e XIV. Destaca-se por ter características arquitetónicas do período gótico, por ter seis torres, incluindo a de menagem, sendo a torre militar mais alta de Portugal com aproximadamente 40 metros de altura e 198 degraus. O Castelo de Beja apresenta os seguintes serviços: posto de turismo, cafetaria e sala de exposições
  • Convento de Nossa Senhora da Conceição: é um convento que foi construído entre 1460 e 1473. Merece especial atenção a talha dourada da capela-mor, os painéis de azulejos de autoria de Policarpo de Oliveira Bernardes, a Sala do Capítulo e a “Porta de Mértola”
  • Convento de São Francisco: Atualmente funciona como pousada, antigamente foi um convento que foi construído no século XIII. Merece destaque especial para Capela ou Sala dos Túmulos
  • Ermida de Santo André: foi construída devido a uma promessa de D Sancho II relativa à conquista de Beja aos mouros. Tem por principais atrações as paredes caiadas com afrescos, a capela-mor, o retábulo de madeira e as pinturas que representam o Calvário de Cristo e o Martírio de Santo André, o patrono da ermida
  • Escavações da Rua da Moeda: escavações arqueológicas que se estão a realizar na rua da Moeda e que tem por principais atrações a base de um edifício da Idade do Ferro, um templo romano – possivelmente o maior templo romano já descoberto em Portugal - , casas da época muçulmana e uma Casa da Moeda privada do século XVI
  • Hospital da Misericórdia: hospital que foi construído em 1490 e doado à Santa Casa da Misericórdia. Tem por principais destaques a enfermaria de dupla nave, o claustro gótico, a capela e a farmácia
  • Igreja da Misericórdia: igreja que foi construída no século XVI. O edifício destinava-se a ser um açouge municipal, mas foi transformado em igreja devido à sua imponência. Tem por principais destaques o púlpito, quatro tábuas com episódios da vida de Jesus Cristo da autoria do pintor António Nogueira. A igreja sofreu obras de restauro durante a década de 1940
  • Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres: igreja que foi construída em 1672. Destaca-se por alojar uma das mais importantes coleções de arte sacra de Beja e pelos painéis de azulejos figurativos em azul e branco com episódios da vida de Nossa Senhora, Visitação de Santa Isabel, Sagrada Família, Nossa Senhora com o Menino Jesus, São José, Fuga para o Egito e os altares laterais
  • Igreja de Santa Maria da Feira: é o templo religioso mais antigo de Beja, tendo sido construído durante a ocupação visigótica. A igreja foi destruída no terramoto de 1755, sendo reconstruída no fim do século XVIII. É um dos melhores exemplares do gótico do Alentejo
  • Museu Regional de Beja: também conhecido por Museu Rainha D Leonor, encontra-se alojado no Convento de Nossa Senhora da Conceição desde 1927. O Museu encontra-se dividido em três estruturas:
    1. Museu Regional: integra coleções de arqueologia, pintura, cerâmica, ourivesaria, escultura, metrologia – história de instrumentos de medição e pesos - e ferragens. Merece especial referência a coleção que José Umbelino Palma reuniu para fazer parte do espólio do museu
    2. Núcleo Visigótico: constitui a coleção mais importante do país do período visigótico, tornando Beja a Capital da Arte Visigótica.
    3. Igreja de Santo Amaro: igreja que foi construída por cima de uma necrópole romana e medieval no século XVI. Tem por principais destaques os ábacos, os capitéis e a abside central
  • Núcleo Museológico da Rua do Sembrano: este núcleo apresenta escavações arqueológicas realizadas durante as décadas de 1980 e 1990. Tem por principais atrações uma muralha feita de argila da Idade do Ferro, um estabelecimento comercial da época romana, uma exposição permanente de objetos retirados das escavações de todos os períodos – desde a Idade do Ferro à Época Contemporânea e um painel de azulejos à entrada do edifício com o tema da água e de autoria do artista plástico Rogério Ribeiro
  • Museu Episcopal de Beja
  • Museu Jorge Vieira: também conhecido por Casa das Artes merece destaque pelo conjunto de 47 desenhos e 52 esculturas doadas por Jorge Vieira – artista português natural de Beja do século XX
  • Museu do Botânico de Beja
  • Parque da Cidade: é um dos maiores espaços verdes de Beja. O jardim inclui várias infraestruturas, nomeadamente um parque infantil, um skate park e um café com esplanada
  • Sé Catedral de Beja: igreja que foi construída no século XVI. Tem por principais atrações um conjunto de telas da autoria de André Reinoso, os retábulos de talha dourada e policromada e o altar dedicado ao padroeiro de Beja São Sezinando
  • Teatro Pax Julia: é um teatro que foi inaugurado em 1928 e remodelado ao longo dos tempos. Atualmente tem um auditório com capacidade para 620 lugares, uma sala-estúdio com capacidade para 120 espectadores onde se realizam regularmente espetáculos de teatro, festivais, cinema, exposições, tertúlias, seminários e congressos
  • Aljustrel: é uma vila portuguesa localizada no distrito de Beja com aproximadamente 4700 habitantes. Esta localidade encontra-se a uma distância aproximada de 40 km de Beja, estando administrativamente organizado em cinco freguesias: Aljustrel, Ervidel, Messejana, Rio de Moinhos e São João de Negrilhos.
    O concelho de Aljustrel tem por principais atrações a barragem do Roxo, o Castelo de Aljustrel, o Castro de Mangancha, a ermida de Nossa Senhora do Castelo, a Igreja Matriz, a Igreja de Santa Maria, as minas de Aljustrel e da Faixa Piritosa, a central elétrica, o jardim público, o Museu de Arqueologia, a piscina descoberta, e o Núcleo Rural do Museu Municipal de Ervidel.
    A gastronomia de Aljustrel é o reflexo de uma região simples e intensa de quem diariamente trabalha arduamente nas minas e nos campos contra a escassez de meios de subsistência. São de destacar as seguintes especialidades: o gaspacho, o feijão com molhinhos, sopa de legumes, sopa de tomate, peixe frito
  • Almodôvar: é uma vila portuguesa que fica localizada no distrito de Beja entre a serra do Caldeirão e a planície alentejana com aproximadamente 7500 habitantes. Almodôvar tem por produtos principais a cortiça, o mel, o queijo de cabra e a aguardente de medronho silvestre. Na vila de Almodôvar há que realçar o Museu Municipal Severo Portela, o Museu de Escrita do Sudoeste, o Museu Arqueológico e Etnográfico Manuel Vicente Guerreiro, a Estação Arqueológica Mesas do Castelinho.
    As festas e romarias mais importantes de Almodôvar são: a Feira Medieval que se realiza anualmente em Abril, a Feira de Artes e Cultura (FACAL) que se realiza anualmente em Junho, a Feira do Cogumelo e Medronho que se realiza anualmente em Novembro.
  • Barragem do Alqueva: é um barragem que fica situada no rio Guadiana, tendo sido construída com os objetivos de produzir energia, criar um sistema de regadio para o Alentejo e desenvolver a agricultura local. Na barragem de Alqueva está situado o maior lago artificial da Europa, local é possível pescar, caçar, realizar passeios pedestres, fazer passeios a cavalos, passeios de barco, voos em balão de ar quente, BTT e desportos náuticos.
    A barragem de Alqueva abrange os concelhos portugueses de Alandroal, Moura, Mourão, Reguengos de Monsaraz e Portel – e os concelhos espanhóis de Alconchel, Cheles, Olivença e Villanueva del Fresno.
    Em Alqueva vale a pena visitar o Castelo de Mourão, a Aldeia da Luz – uma aldeia que ficou parcialmente submersa aquando da inauguração da barragem em 2002 , o castelo romano da Lousa, a vila fortaleza de Monsaraz – de destacar o Centro Náutico de Monsaraz e a festa bienal “Monsaraz Museu Aberto” , a aldeia de Campinho, a aldeia da Amieira, a aldeia da Estrela, a Amieira Marina – a maior infraestrutura náutica da barragem, a aldeia de Alqueva, a aldeia de Capelins, aldeia de Juromenha, aldeia da Granja, a aldeia de Marmelar, a aldeia da Mina de da Orada, a aldeia do Monte Trigo, a aldeia do Pedrógão, a aldeia de Póvoa de São Miguel e aldeia do Telheiro.
    Todas aldeias ribeirinhas da barragem do Alqueva merecem uma visita.
  • Barragem dos Patos: é uma barragem que fica localizada a aproximadamente 20 km a noroeste de Beja no concelho do Alvito. Também designada de Lagoa dos Patos, merece destaque por ser um dos locais com maior presença de patos do Baixo Alentejo. Local ideal para a observação desta espécie de aves
  • Ilha do Pessegueiro: é uma ilha que fica situada no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina inclui vários serviços e infraestruturas, nomeadamente: parque de campismo, bungalows, balneários com duches quentes, bar com esplanada, mini-mercado e um parque infantil. Na ilha do Pessegueiro vale a pena visitar as escavações arqueológicas com achados do período romano e as ruínas de dois fortins do século XVI – data em que Filipe I de Portugal tentou construir uma ligação entre a a ilha e o continente
  • Mértola: é uma vila portuguesa que fica situada próximo da fronteira com Espanha com aproximadamente 2 mil habitantes. Mértola é a capital nacional da caça, dispõe de 60 Zonas de Caça Turística, 64 Zonas de Caça Associativa e 2 Zonas de Caça Municipais num total de 1279,40 km2 , sendo um local privilegiado para a observação de aves
    Em Mertola existem quatro percursos de observação de aves sugeridos pela câmara municipal:
    1. Percurso 1: Mértola, o reduto do Peneireiro-das-Torres (reduto do Peneireiro-das-Torres), aqui é possível observar o reduto do Peneireiro-das-Torres (reduto do Peneireiro-das-Torres), uma espécie rara e ameaçada de extinção
    2. Percurso 2: O território da velha mina, poderá ser observado o andorinhão-cafre (andorinhão-cafre), a gralha-de-nuca-cinzenta (gralha-de-nuca-cinzenta), a águia imperial ibérica (águia imperial ibérica), a águia real (águia real) e o rouxinol bravo (rouxinol bravo)
    3. Percurso 3: Situado nas margens do Guadiana, o rio que banha o Alentejo é o habitat favorito de várias espécies de aves, nomeadamente a águia real (águia real), o bufo real (bufo real) e a cegonha preta (cegonha preta)
    4. Percurso 4: Situado entre o Pulo do Lobo à Serra de Alcaria, neste local é possível observar a águia real (águia real), o bufo real (bufo real), o peneireiro cinzento (peneireiro cinzento), o torcicolo (torcicolo,) a pega azul (pega azul) e o sisão (sisão). Este percurso merece um destaque especial pela ermida de Nossa Senhora de Aracelis, um autêntico miradouro para observar toda a paisagem envolvente
    Mértola foi povoada por Iberos, Fenícios, Gregos, Cartagineses, Romanos e Árabes. O período de ocupação romana começou no século II a.C., tornando-se um importante entreposto comercial, sendo designada por Iulia Myrtilis. Mértola chegou a ser capital de um pequeno emirado independente, a taifa de Mértola. D Sancho II conquistou Mértola em 1238 e recebeu o primeiro foral em 1512. Nos finais do século XIX esta vila alentejana registou um desenvolvimento económico devido às minas de São Domingos. Entre 1961 e 1971 Mértola perdeu mais de 50% da população com a diminuição da atividade mineira e nunca mais recuperou.
    Em Mértola há que realçar a Mesquita, o Castelo de Mértola, o Núcleo Islâmico, o Núcleo da Basílica Paleocristã, o Núcleo de Tecelagem, o Núcleo Romano, o Núcleo de Arte Sacra, o Núcleo da Achada de São Sebastião, a Forja do Ferreiro, a Torre do Rio, a Torre do Relógio, a mina de São Domingos, o Pulo do Lobo, uma queda de água com 16 metros de altura situada em pleno Parque Natural do Vale do Guadiana , a praia fluvial de São Domingos, o Festival Islâmico, um dos maiores do festivais islamicos de Portugal que se realiza anualmente em Maio
  • Odemira: é uma vila portuguesa localizada na costa alentejana com aproximadamente 23 mil habitantes, sendo o maior concelho de Portugal com 1720 km2. O concelho de Odemira encontra-se integrado no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e na Costa Vicentina. O concelho de Odemira tem como principais atrações: o Jardim Ribeirinho do Mira, o Jardim da Fonte Férrea, o Parque das Águas, a Necrópole do Pardieiro, a ermida de Nossa Senhora do Carmo, a Ermida de Nossa Senhora das Neves, a Igreja Matriz Nossa Senhora da Assunção, a Igreja da Misericórdia, o Cerro do Castelo, o Forte de São Clemente, o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, a praia do Malhão, a praia do Farol, a praia da Franquia, a praia das Furnas, a praia da Zambujeira do Mar, a praia do Carvalhal, a praia do Almograve, a zona naturista de Alteirinhos, a barragem de Santa Clara, o Cabo Sardão, o porto Lapa das Pombas e as Azenha do Mar.
    As festas e romarias mais importantes de Odemira são: Festas Abril em Odemira que se realiza anualmente em Abril, o Festival Tassjazz que se realiza anualmente em Junho e Julho, a Feira do Turismo que se realiza anualmente em Junho, o Festival Sudoeste - o maior festival de verão de Portugal e que se realiza anualmente em Agosto e a Feira de Caça Maior que se realiza anualmente em Setembro
  • Ourique: é uma vila e sede de concelho do distrito de Beja que se encontra situada entre a planície alentejana a norte e a serra de Monchique a sul com aproximadamente 5400 habitantes. Ourique é a Capital do Porco Alentejano. Ourique foi fundada em 711, ano da invasão árabe da Península Ibérica. A Batalha de Ourique deu-se no dia 25 de Julho de 1139 e foi decisiva para D Afonso Henriques, que foi aclamado rei de Portugal após ter derrotado cinco reis mouros. A Vila de Ourique recebeu Foral em 1290. O património de Ourique inclui o Castelo de Ourique, as ruínas de Castro da Cola, a Igreja da Misericórdia, o Hospital da Misericórdia e a barragem do Monte da Rocha. A festa mais importante do concelho de Ourique é a Feira do Porco Alentejano que se realiza anualmente em Março.
  • Outeiro do Circo: esta povoação localizada no distrito de Beja é uma das fortificações datadas da Idade do Bronze (1250 a.C. e 750 a.C.) mais importantes da Península Ibérica. Outeiro do Circo foi o grande centro de poder regional antes da fundação da cidade de Beja. As principais atrações de Outeiro do Circo são as muralhas, dois bastiões semicirculares e um fosso
  • Parque de Natureza de Noudar: é um parque natural situado na Herdade da Coitadinha. O Parque de Natureza de Noudar tem por principais atrações as hortas de plantas aromáticas: Horta do Monte, Horta da Senhora e Horta do Olival, as pastagens para gado bovino de raça Mertolengo, o Castelo de Noudar, passeios de bicicleta por trilhos de natureza, a observação de fauna e flora, observação de javali selvagem e observação astronómica do céu noturno com telescópio
  • Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina: este parque tem uma extensão aproximada de 110 km e tem por principais atrações a ilha do Pessegueiro, o Cabo Sardão, a vila da Carrapateira e o Cabo de São Vicente. A fauna local inclui 200 espécies de avifauna, sendo que 26 nidificam em falésias. Merece especial destaque a cegonha branca, a única espécie de cegonha existente no mundo que constrói os ninhos nos rochedos marítimos, o falcão peregrino, classificada como a ave mais rápida do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, podendo atingir uma velocidade de mergulho aproximada de 385 km/h. O Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina inclui aproximadamente 750 espécies de flora, sendo que 12 espécies apenas existem neste local. Aqui existem zonas Fluviais de Pesca Interdita e zonas Marítimas de Pesca Interdita com o objetivo de valorizar o equilíbrio dos ecossistemas.
  • Parque Natural do Vale do Guadiana: é um parque que fica localizado no vale médio do rio Guadiana com uma área aproximada de 70 mil hectares. O Parque Natural do Vale do Guadiana apresenta por principais atrações:
    1. Geosítios: cascata do Pulo do Lobo; Sequência Estratigráfica do Pomarão, composta por rochas vulcânicas com características únicas na Península Ibérica com uma idade aproximada de 350 milhões de anos, a mina de São Domingos, uma mina que foi explorada desde o período romano até 1962, tendo contribuido para a economia da região com a extração de cobre, enxofre, ouro, chumbo e zinco
    2. Património: Centro de Interpretação da Paisagem da Amendoeira, Centro de Estudos e Sensibilização Ambiental do Monte do Vento, a praia fluvial da Tapada Grande
    3. Pontos de interesse: Moinho dos Canais, Rocha da Galé, Azenhas do Guadiana, Penha da Águia, Ribeira do Vascão, Antas das Pias, Azinhal – zona de alimentação de Grous -, Monte da Balança – local onde pode encontrar aves estepárias e a barragem dos corvos
  • Serpa: é uma cidade do Alentejo situada próximo da fronteira com Espanha e uma distância aproximada de 30 km de Beja, contando aproximadamente 11700 habitantes. Serpa foi fundada pelos Romanos e foi conquistada definitivamente aos mouros em 1230. Serpa subiu a cidade em 26 de Agosto de 2003. O património edificado de destaque em Serpa inclui a Igreja de Santa Maria, a Torre da Horta, a Torre do Relógio, o Palácio de Ficalho, o Museu Municipal de Arqueologia e o Núcleo Intramuros da cidade de Serpa. As principais atrações de património natural em Serpa são: o Sítio Guadiana, o Sítio Moura/Barrancos, a zona de Malpique e Vila Nova de São Bento. Serpa apresenta vários produtos regionais, nomeadamente o queijo de Serpa, os vinhos Pias e de Serpa, o azeite, os enchidos, o mel e as azeitonas. As feiras e romarias mais importantes de Serpa são: a Feira do Queijo do Alentejo, que realiza-se anualmente em Fevereiro e a Festa de Nossa Senhora de Guadalupe, sendo a festa principal do concelho e realiza-se anualmente em Abril

História de Beja

Beja foi fundada na Idade do Ferro, aumentando de importância durante a ocupação Romana, tendo sido criada uma colónia romana por Júlio César designada por Pax Julia. Beja transformou-se num grande centro comercial e agrícola durante este período da história. Após a ocupação romana, Beja foi dominada pelos Visigodos, tendo sido elevada à categoria de sede episcopal até à invasão dos Árabes em 711, passando então a ser uma das cidades mais importantes da Península Ibérica durante os quatro séculos de ocupação muçulmana. Beja foi conquistada de forma definitiva em 1234 e elevada à categoria de cidade em 1525 pelo rei português D João III. Beja foi muito destruída durante as Invasões Francesas entre 1807 e 1811. A partir do século XX, Beja viveu um período de forte desenvolvimento económico devido à criação de infraestruturas em diversas áreas:

  • educação, nomeadamente o novo Liceu em 1937;
  • na área da saúde, com a construção do novo Hospital em 1970,
  • judicial
  • comercial.

Em 2011 foi inaugurado o Aeroporto de Beja.

As festas e romarias mais importantes de Beja

  • Festival de Música Sacra do Baixo Alentejo: realiza-se anualmente entre Março e Julho
  • Florir Beja: realiza-se anualmente em Maio
  • Beja Romana: realiza-se em Maio
  • Festival Internacional de Banda Desenhada: realiza-se anualmente entre Maio e Junho
  • Ovibeja: realiza-se anualmente em Abril e Maio
  • Beja Gourmet: realiza-se anualmente em Outubro
  • Olivipax: realiza-se anualmente em Outubro
  • RuralBeja: realiza-se em Outubro
  • Vinipax: realiza-se anualmente em Outubro

A gastronomia de Beja

A gastronomia de Beja é o resultado de um clima quente, de uma região de trabalho árduo e com escassos meios para cozinhar. Com o passar do tempo, as várias gerações de alentejanos foram sabendo elaborar pratos de origem simples com produtos da região, nomeadamente o pão, a água e os temperos. A escassez de meios é visível em alguns pratos alentejanos que são hoje muito apreciados, contudo isentos de carne ou peixe, nomeadamente o gaspacho que consiste numa sopa fria feita com tomate, pepino, pão duro, oregãos, azeite e sal, a ser servida em dias quentes do verão alentejano. A gastronomia alenteja traduz o verdadeiro espírito da região, deixando um vontade de voltar...


Os pratos típicos do distrito de Beja incluem especialidades como:

  • Sopa de beldroegas
  • Açorda de Poejos
  • Açorda à alentejana
  • Ensopado de borrego
  • Migas com carne de porco
  • Mioleira com lombinho
  • Moleja
  • Bolos folhados
  • Bolo podre
  • Queijinhos de hóstia
  • Toucinho do céu
  • Trouxas de ovos
  • Queijos de cabra e ovelha

O Alentejo representa 49% do vinho produzido em Portugal. No Baixo Alentejo existem os seguintes produtores:

  • Casa de Santa Vitória
  • Herdade da Malhadinha Nova
  • Herdade dos Grous
  • Herdade da Mingorra
  • Herdade do Monte Velho e Figueirinha
  • Herdade do Paço do Conde
  • Herdade do Selão
  • Herdade do Vau

O artesanato de Beja

O artesanato de Beja inclui tradições e artes ancestrais que ainda contribuem para o desenvolvimento económico da cidade e da região, nomeadamente:

  • Cerâmica
  • Cestaria
  • Obras em madeira e cortiça
  • Rendas
  • Sapatos

O Cante Alentejano

O cante alentejano foi classificado como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO a 27 de Novembro de 2014 devido a uma candidatura conjunta da Câmara Municipal de Serpa e Entidade Regional de Turismo do Alentejo. O cante alentejano é uma das tradições musicais mais antigas de Portugal, pertencendo ao património coletivo do Alentejo. As letras deste género musical falam sobre as planícies quentes, dos trabalhos nos campos agrícolas , dos santos locais, das aldeias da região e de amor. Este género musical é cantado em coro e sem qualquer instrumento musical, sendo muitas vezes associado aos trabalhadores agrícolas e aos mineiros alentejanos. O primeiro grupo coral de Cante Alentejano apareceu em 1926 nas minas de São Domingos, atualmente desativadas. Não se sabe a origem deste género musical, mas no início do século XX alguns ranchos folclóricos começaram a organizar ensaios nas aldeias alentejanas com coros masculinos locais. A ditadura de Oliveira Salazar promoveu o Cante Alentejano como sendo um bom exemplo da cultura do folclore português, tendo sido realizados concursos entre os grupos corais de cante. Atualmente os grupos corais não são constituídos apenas por homens: existem grupos formados só por mulheres e grupos mistos compostos por homens e mulheres. No cante quem começa a cantar é sempre o Ponto, com uma voz precisa, seguida do Alto, com uma voz mais aguda e intensa, e por último o coro, composto pelo resto do grupo. As canções que passaram de geração em geração são atualmente ensinadas nas escolas locais.

Veja o video do Cante Aletejano


Video antigo

A economia de Beja

O distrito de Beja tem por principais produções agrícolas o trigo, a cortiça e a criação de gado. Os produtos agrícolas de maior expressão desta região são o vinho com aproximadamente 70 mil hectares de vinha plantados e uma produção aproximada de 3.6 milhões de litros de vinho anuais, o azeite com aproximadamente 11 mil hectares de olival plantado e uma produção aproximada de 14 milhões de litros de azeite por ano.
As indústrias predominantes do distrito de Beja são a olaria, a extração de mármore e metalomecânicas. O subsolo do Baixo Alentejo é rico em matérias-primas, nomeadamente cobre, granito, estanho, mármore e as pirites.

Projetos e apoios às empresas

Beja está inserida numa região em franco crescimento e inovação empresarial, sendo de destacar os seguintes projetos:

  • Beja Ecopolis
  • BejaGlobal: uma parceria que foi realizada a 9 de Junho de 2011 com os municípios de Alvito, Beja, Cuba, Ferreira do Alentejo e Vidigueira para promover o Aeroporto de Beja e regiões circundantes
  • CEBAL: criação do Centro de Biotecnologia Agrícola e Agroalimentar do Baixo Alentejo e Litoral
  • Cluster Energético de Beja
  • Cluster Aeronáutico de Beja
  • Cluster “Nova Ruralidade” de Beja
  • Cluster Mobilidade e Transportes
  • Cluster Indústrias Criativas
  • Ninho de empresas NERBE /ERBAL
  • Ninho de empresas Ponto Óptimo
  • Rede de Laboratórios Tecnológicos do concelho de Beja
  • Parque Industrial de Beja

O Turismo em Beja

A atividade turistica no distrito de Beja tem vindo a desempenhar um papel de destaque na economia do Baixo Alentejo. O distrito de Beja tem como principais atrações turísticas: a Cidade Fronteiriça e de Guarnição de Elvas e as Fortificações classificadas como património da UNESCO, os castelos e aldeias típicas, as pousadas, o património religioso, o Cante Alentejano, a gastronomia e vinhos, o montado de sobro, o cavalo Lusitano e a tauromaquia, o Alqueva, o rio Guadiana e as praias.
O Baixo Alentejo representa 12.2% e o Alentejo Litoral 29.8% das dormidas da região do Alentejo. A maior parte dos turistas é originário de Espanha, França, Brasil, Alemanha e Reino Unido. O turismo apresenta-se como um setor em pleno crescimento na região.

Factos rápidos sobre Beja

  • População: aproximadamente 36 mil habitantes
  • Área: 1106, 44 km2
  • Região: Alentejo
  • Sub-região: Baixo Alentejo
  • Distrito: Beja
  • Aeroporto: 1
  • Hospitais: 1
  • Farmácias e postos farmacêuticos móveis: 12
  • Centros de saúde: 1
  • Estabelecimentos de bancos e caixas económicas: 20
  • Estabelecimentos hoteleiros: 7
  • Capacidade de alojamento nos estabelecimentos hoteleiros: 664

Veja no mapa os pontos de interesse em Beja


menu